quinta-feira, 23 de agosto de 2012

tudo isso digo enquanto espero sair daqui




tão angustiante é ser peixe de aquário.
- disse o homem-peixe de cabeça de ar.
astronautas, viagens periféricas
mostram a subserviência popular da revolta
tudo é peixe, feixe e desastres naturais.
a fuga para a terra prometida,
na estrada repetida do lobo frontal.

dentro do espaço semiaberto dos teus olhos azuis
a cor do meu sonho que se manifesta 
em oração.

esperava algo além do meu silêncio -
tudo é clichê, meu jovem poeta.
todas as pessoas sabem, não creem e mentem pra si mesmas.

mesmo que o universo ao meu redor
seja apenas palpável à sombra da redoma de vidro
não ousaria, eu, ultrapassar os limites da minha mente.
não querer pode não ser querer, poder, coisas afins e frias.

esvaziar-se do seu próprio vazio, é ganhar do mundo a plenitude do nada.
nada mais.


Rivaldo Júnior

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Pra Você Dar o Nome (5 a Seco)





Deixa pra lá,
Que de nada adianta esse papo de "agora não dá".
Que eu te quero é agora e não posso e nem vou te esperar,
Que esse lance de um tempo nunca funcionou pra nós dois.


Sempre que der
Mande um sinal de vida de onde estiver, dessa vez.
Qualquer coisa que faça eu pensar que você está bem
Ou deitada nos braços de um outro qualquer, que é melhor


Do que sofrer
De saudade de mim como eu to de você, pode crer!
Que essa dor eu não quero pra ninguém no mundo...
Imagina só, pra você.


Quero é te ver
Dando volta no mundo indo atrás de você, sabe o quê,
E rezando pra um dia você se encontrar e perceber
Que o que falta em você sou eu .


terça-feira, 14 de agosto de 2012

Juro Por Deus (Filipe Catto)






Juro por Deus, já pensei até mesmo em provar do extremo
De misturar sonrisal, guaraná, rum, cachaça e veneno.
Ou barbitúricos batizados de bourbon.
Quando você me deixou
Dormindo em casa e foi à zorra, amor.

Juro por Deus, já olhei tantas vezes pro quintal
Um nó bem dado bem na corda do varal.
Pra te punir, ou não, quem vai saber?
Não me surpreenderia tua alegria mórbida ao amanhecer

Foi quando o samba chorou outra vez,
E o nó pesado esquecido no peito desfez...
E eu me banhei, eu me perfumei,
E então decidi:
Usar o decote mais abusado que existir.

E eu vou abrir a fenda até o meu umbigo!
E eu vou dormir com aquele teu melhor amigo.
E me matar de ciúme por ti?
Ah! Por favor!
Se é pra morrer,
Que morra você, meu amor.


quarta-feira, 8 de agosto de 2012

enquanto desço as escadas.





desapegar-se é enfado mais tristonho
quem dera que o meu sonho
ficasse perto de mim.

felicidade é constante infinita
enquanto a vida é bonita
e eterna antes do fim.

mas eu te peço pro bem do meu coração
que tua falta mais não
me deixe tão triste assim.

pois sem você, eu vou morrendo a cada dia
dentro da melancolia
de viver sem ti, enfim. 



Rivaldo Júnior

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

valsa pra um






de cá pra lá,
de lá pra cá.
o mundo acaba destilado.

Rivaldo Júnior