sábado, 31 de dezembro de 2011

Desejos (Carlos Drummond de Andrade)













Desejo a você:
                                       Fruto do mato
                                                                                        Cheiro de jardim
              Namoro no portão
                                                         Domingo sem chuva
          Segunda sem mau humor
                                                                                               Sábado com seu amor
                                             Filme do Carlitos
  Chope com amigos
                                                                     Crônica de Rubem Braga
                 Viver sem inimigos
                                                                                                  Filme antigo na TV
Ter uma pessoa especial
                                                              E que ela goste de você
                    Música de Tom com letra de Chico
                                                                           Frango caipira em pensão do interior
         Ouvir uma palavra amável
                                                               Ter uma surpresa agradável
               Ver a Banda passar
                                      Noite de lua Cheia
                                                                                        Rever uma velha amizade
     Ter fé em Deus
                                   Não Ter que ouvir a palavra não
                                                                               Nem nunca, nem jamais e adeus.
         Rir como criança
                                               Ouvir canto de passarinho
      Sarar de resfriado
                                                                                    Escrever um poema de Amor
                            Que nunca será rasgado
Formar um par ideal
                                                          Tomar banho de cachoeira
           Pegar um bronzeado legal
                                                                                      Aprender um nova canção
Esperar alguém na estação
                                           Queijo com goiabada
                     Pôr-do-Sol na roça
                                                                                                   Uma festa
                                                                                 Um violão
                                                            Uma seresta
Recordar um amor antigo
                                                                         Ter um ombro sempre amigo
                                Bater palmas de alegria
                                                                                    Uma tarde amena
       Calçar um velho chinelo
                                                                         Sentar numa velha poltrona
  Tocar violão para alguém
                                            Ouvir a chuva no telhado
                                                                                                    Vinho branco
Bolero de Ravel 

                                                                                                   E muito carinho meu.


terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Nas voltas do meu coração


Tal como o ator que baseia sua arte na representação fiel do que não é, eu tento fazer-lo com as minhas palavras. Prefiro, e digo isso sinceramente, deixar meu eu-lírico satisfazer-se da possibilidade de se tornar real e fluir entre as minhas letras dando corpo ao meu texto. Porém, por mais que eu relute, há vezes onde minha cara não pode escapar. Este texto, por exemplo, é fruto de uma experiência que não só vivi como trato de pôr-la no papel o mais rápido possível, antes que as lembranças desapareçam da minha memória e eu perca mais uma ânsia de inspiração, como já acontecera antes com outros poemas e crônicas. Tanto assim, este mesmo texto viria ao mundo em forma de poema, quem sabe um soneto, mas a rima e a métrica – que ultimamente venho buscando – me cansam e me aborrecem. Vai assim, como crônica. Talvez nem sequer a termine. Enquanto ao título, e esta oração que acabas de ler, vêm como remendo do texto logo que o finalizei, Chico me sugeriu e eu aceitei. As coisas passam depressa e nós temos de acompanhar. Mas paro segundos comigo para contar-vos o que tenho a dizer.

Aconteceu que na noite de natal, no dia 25 mesmo e não na véspera de festa, resolvemos sair à rua para respirar o que ainda sobrava do espírito natalino. Pôr as crianças no parque, velar o menino Jesus de barro posto no presépio montado na praça e, se coubesse tempo e espaço na matriz, assistir a missa do dia. Não coube, nem uma coisa nem outra. Devido ao nosso desleixo a missa já havia acabado e a multidão se retirava lentamente da igreja. A nuvem de fumaça cheirosa a incenso escapava pelas janelas e os sinos badalavam perenemente. A rua estava cheia. Luzes e papais-noéis enfeitavam as avenidas ainda molhadas de uma chuva de verão que caíra logo cedo. Havia música em algumas casas e dois bêbados celebravam o dia dançando juntos uma versão do Jingle Bell em pagode.  Barracas de confeitos mantinham a tradição entre bolos de mandioca e o cheiro doce do açúcar de confeiteiro. Meu avô, quando vivo e novo, montava em todas as festas sua banca de confeitos. Fosse qualquer festa, do padroeiro ou de emancipação municipal, lá estava ele e seus seis filhos homens negociando alfenins e rapaduras. O gosto enjoativo de uma castanha caramelada adocicou a minha boca, passei logo o pacote pro meu sobrinho. Continuamos, as crianças já reclamam. Vamos aos brinquedos.

Mas antes, não posso deixar de citar que encontrei um amigo no caminho. Confesso aqui que não o quisera encontrar e aqui digo pois sei que ele não me lê. Havia tempos que não o via, contudo não tanto havia vontade de vê-lo. Não obstante fui simpático. Falei das novidades, da vida, das moças e ele pareceu querer ouvir. Despediu-se e apressei para acompanhar os outros.

A multidão se aglomerava próximo aos parques, que nada mais eram que estruturas feitas para enganar os pequenos e tirar-lhes o enfado da aglomeração. Crianças choravam e sorriam em balanços de madeira e rodas-gigantes e arrastavam seus pais bobos e cautelosos para a margem dos brinquedos. Uma gambiarra de lâmpadas amarelas iluminava a rua estreita e lotada.  Meus pequenos, um sobrinho e dois primos, logo cismaram em subir num carrossel. A estrutura, confesso, não era muito confiável. Lataria e madeira formavam um complexo colorido e giratório. Cavalos, elefantes, camelos e algo, que se não me engano assemelhava-se a uma lhama andina, giravam carregando crianças e sorrisos. A ferrugem das grades manchara meus dedos de vermelho. E eu, de modo desajeitado, sujei minha calça tentando livrar-me da mácula rubra. Xinguei e me escorei num poste. Uma coisa porém, me atinou. Mesmo com a preocupação excessiva dos pais e o vai-e-vem de crianças subindo e descendo do brinquedo, os pequenos corriam e subiam na diversão arrastando consigo dúzias de sorrisos. Neste momento, que também posso colocar como a concepção desse texto que agora escrevo, uma metáfora pertinente me veio à cabeça.

Tão íngreme e perigosa é a vida. E tão frágil somos. Carregamos a nossa existência de modo a se adaptar e estar pronto a subir no embalo da caminhada. Giramos. Damos voltas.  Vamos e voltamos. As pessoas nos vêm e vão como os carrosséis. Subimos e descemos. Ora estamos por cima, ora somos forçados a descer e a até mesmo parar e decidir o caminho, do modo das rodas-gigantes. E, por vezes caímos. Nos machucamos. Nos adiantamos demais. Somos forçados a parar. E recomeçar. E toda a estrutura que nos mantêm apoiado, há de nos acompanhar se a construímos de maneira sólida. Embalamos num sonho. E quando menos esperamos, estamos nós sorrindo outra vez, deitados na felicidade proporcionada pela inconstância da vida. Pelas imagens que parecem serem dignas de serem reconquistadas a cada rotação. E adoramos tudo isso por que sabemos, assim como as crianças, que cada recomeço é uma nova oportunidade de observar as coisas e as pessoas por um novo ângulo e mais uma centelha de tempo para que ainda mais possamos ser felizes.

Um movimento em uma manivela que ficava próxima à entrada fez o brinquedo parar. Os meninos desceram para o encontro de seus pais. A noite já se bastava. Mais algum algodão-doce, um pacote de pipoca amanteigada e uma tentativa de acertar o alvo com uma espingarda de chumbinho preencheram o lazer das crianças. Minha noite já estava cheia. Já encontrara o que viera procurar. A noite ainda continuava alta quando eu cheguei em casa. E eu já me alteava quando a noite em mim chegou.
Rivaldo Júnior
                                                      

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Atrás da Porta (Chico Buarque)




Quando olhaste bem nos olhos meus
E o teu olhar era de adeus...
Juro que não acreditei, eu te estranhei,
Me debrucei sobre teu corpo e duvidei.
E me arrastei e te arranhei
E me agarrei nos teus cabelos,
No teu peito, teu pijama...
Nos teus pés ao pé da cama!
Sem carinho, sem coberta,
No tapete atrás da porta.
Reclamei baixinho.
Dei pra maldizer o nosso lar.
Pra sujar teu nome, te humilhar,
E me vingar a qualquer preço
Te adorando pelo avesso,
Pra mostrar que ainda sou tua...





Pra mostrar que ainda sou tua...



sábado, 24 de dezembro de 2011

Poema de Natal (Vinicius de Moraes)


Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.
Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

desconstrução crítica




pela manhã,
encontrei um jovem poeta que conheço.
ele, então, pôs-se a medir minhas palavras.
leu meus textos
avaliou os,
e os achou ridículos.

juro que lhe acreditava se não fosse poeta.
Rivaldo Júnior

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Incenso fosse música (Paulo Leminski)









       isso de querer
  ser exatamente aquilo  
       que a gente é
  ainda vai

       nos levar além











sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

versinho de amor



a língua paga, o corpo sente
o teu olhar indiferente.
agradeço o teu despeito
com uma faca no teu peito.


Rivaldo Júnior

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Gandaia das ondas (Lenine)




É bonito se ver na beira da praia, a gandaia,
das ondas que o barco balança
batendo na areia, 

molhando os cocares dos coqueiros...
Como guerreiros na dança! 

Oh, quem não viu vai ver
A onda do mar crescer.

Olha que brisa é essa
que atravessa a imensidão do mar...

         Rezo, paguei promessa,
         E fui a pé daqui até Dacar.

                 Praia, pedra e areia;
                 Boto e sereia, os olhos de Iemanjá...

                         Água, mágoa do mundo,
                         Por um segundo achei que estava lá!

                                  Olha que luz é essa
                                  Que abre caminho pelo chão do mar.
                                              Lua, onde começa
                                              E onde termina o tempo de sonhar...
                                                         Praia, pedra e areia;
                                                         Boto e sereia, os olhos de Iemanjá...
                                                                    Água, mágoa do mundo,
                                                                    Por um segundo achei que estava lá!

Eu tava na beira da praia,
Ouvindo as pancadas das ondas do mar...
Não vá, oh, morena,
Morena lá, q
ue no mar tem areia.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

resposta para qualquer ocasião


e esse grito amarelo que prende minha boca.

me passo
não passo
não posso
não pássaros
não pulsa
me peço
me preço
te prece
te apreço
passado
pesado
possuído
perdido
passivo...

um beijo estala o medo de minha vida,
que os anos não trazem mais.

Rivaldo Júnior


sábado, 10 de dezembro de 2011

Um poema frio


acho que não vale mais a pena mentir.
agora mais não...
não há mais nada a perder
tudo está fraco,
mudado,
velho,
e as únicas promessas que me faziam persistir no silêncio falso
já não são dignas de confiança
e apreço.

vou direto ao ponto.
antes que meu poema se torne prosa
e as metáforas sejam engolidas por minha angústia.
vale meu socorro num sopro de sinceridade.
nunca confiei em você.
nunca acreditei em seu amor.
não, foi tudo uma farsa.
esperava bem menos de você
e ainda assim espero.

não se preocupe,
o que não tem que ser seu, 
nunca será.
te peço desculpas
mas nem isso mesmo acredito
que você mereça.
nem tanto.


Rivaldo Júnior

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

A sexa (Luis Fernando Verissimo)


Conversa entre pai e filho:
- Pai...
- Hummmm?
- Como é o feminino de sexo?
- Quê?
- O feminino de sexo.
- Não tem.
- Sexo não tem feminino?
- Não.
- Só há sexo masculino?
- Sim. Quer dizer, não. Existem dois sexos. Masculino e feminino.
- E como é o feminino de sexo?
- Não tem feminino. Sexo é sempre masculino.
- Mas acabas de dizer que há sexo masculino e feminino.
- O sexo pode ser masculino ou feminino. A palavra Sexo é masculina.
Depois há o sexo masculino e o sexo feminino.
- Não deveria ser "A sexa"?
- Não.
- Porque não?
- Porque não! 'Sexo' é sempre masculino.
- O sexo da mulher é masculino?
- Sim. Não! O sexo da mulher é feminino.
- E como é o feminino?
- Sexo também. Igual ao do homem.
- O sexo da mulher é igual ao do homem?
- Sim. Quer dizer... Olha. Há sexo masculino e feminino. Não é verdade?
- Sim.
- São duas coisas diferentes.
- Entao, como é o feminino de sexo?
- É igual ao masculino.
- Mas não são diferentes?
- Não. Ou melhor, sim! A palavra é a mesma. Muda o sexo, mas não muda a palavra.
- Então não muda o sexo. É sempre masculino.
- A palavra é masculina.
- Não. "A palavra" é feminino. Se fosse masculino seria "O pala.."
- Basta! Vai brincar.
O menino sai e entra a mãe, o pai comenta:
- Temos que vigiar esse menino...
- Porquê?
- Só pensa em... gramática.


segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Eu apenas queria que você soubesse (Gonzaguinha)




Eu apenas queria que você soubesse
Que aquela alegria ainda está comigo...
E que a minha ternura não ficou na estrada,
Não ficou no tempo presa na poeira.

Eu apenas queria que você soubesse
Que esta menina hoje é uma mulher,
E que esta mulher é uma menina
Que colheu seu fruto, flor do seu carinho!

Eu apenas queria dizer a todo mundo que me gosta
Que hoje eu me gosto muito mais.
Porque me entendo muito mais também!

E que a atitude de recomeçar é todo dia toda hora,
É se respeitar na sua força e fé
E se olhar bem fundo até o dedão do pé.


Eu apenas queira que você soubesse
Que essa criança brinca nesta roda...
E não teme o corte de novas feridas,
Pois tem a saúde que aprendeu com a vida.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Hoje à tarde me deu vontade de escrever.


Estava vindo pra casa, num ônibus lotado. Trazia em meu colo meia dúzia de livros que irão me entreter ainda à noite. Vinha cansado e não pensava em nada específico.
De repente, me acordou uma vontade imensa de escrever. Trazer as palavras que adormeciam já há algum tempo e despejá-las numa folha em branco. Sede e fome servem como boas metáforas para minha ânsia de dialogar com o lápis. Resolvi escrever.
O passo dado, porém, não representa a direção escolhida. Me chamei inspiração. Busquei em algo, em alguma lembrança talvez, motivo e alimento pra minha redação. Desisti de procurar. O barulho das pessoas, as risadas, a força empregada pelo veículo na subida da ladeira dispersava completamente meu raciocínio. Fui olhar a paisagem na janela suja do ônibus. Era linda. Era estranhamente linda, pois passava por ali todas as tardes e nunca me dera o prazer de admirar a minha volta. Por favor, não penses que estou retratando aqui nenhuma vista do mar ou uma serra rasgada de cachoeira ou qualquer dessas cenas que a natureza se encarrega de mistificar com sua vaidade. Não, estou falando do caminho da minha casa. Cheia de ruas sujas e gente pobre. Mas e a lindeza? Está justamente aí. Minhas ruas hoje não eram as mesmas. Traziam um encanto novo. Novos caminhos se abriram em minha passagem. Novas gentes. Vi três guris correndo atrás de uma bola num campinho de areia sujo de grama. Vi entre eles também um sorriso que me alegrou. Estavam descalços. Podiam ficar doente com a friagem – não me lembro de ter dito, mas está pra chover e no momento esfriava. Vi de relance, o ônibus fez a curva. Continuei admirando as imagens que se mostravam tão perfeitas e tão poéticas pela pura singularidade de existir. Uma dona de casa estendendo a roupa no varal, uma moto entrando em uma rua e, após descobrir que estava enganada, fazendo a volta de maneira infratora. Me lembro ter visto um senhorzinho já careca com pequenas manchas grisalhas arriscar a serenidade da velhice em cima de uma bicicleta. E de ter visto também um cachorro doente. Como nunca pude ter visto estas coisas antes?
Em determinado ângulo, o sol, que estava timidamente abraçado por nuvens deixou vazar aos meus olhos uma claridade vitalícia. Me incendiou sua presença. E me mostrou o mundo, esse grande mistério revelado que por tanto tempo relutei de ver. Voltei minha atenção pra dentro do ônibus.
Nunca julgues alguém que por cansaço ou por ocupações ou por preferência mesmo prefere viver dentro de si. As pessoas se entregam facilmente às outras. Nunca fui um parceiro de convivência ou conveniência. Antes fosse. Mas meus hábitos pequenos e fechados me trancaram na redoma de minha face. E agora dentro desse universo micro e apertado pude notar como as pessoas fazem parte uma das outras. Misturam-se para formar a essência do prazer coletivo. Da pluralidade geral. E se tornam um.
Mas ainda há algo de errado. Meu descuido foi a pressa da observação. Não há uma unidade homogênea, não. Há algo mais. Algo mais invisível nessa situação que separa as pessoas. Elas não se conhecem, não são um. Nem querem ser. São vários uns espalhados com seus problemas e suas perturbações. Estão todos presos em suas vidas assim como um condenado à masmorra. Assim como o mar está preso em si mesmo. Assim como eu estava, como eu estou. Somos todos eu. São todos como mim. Ansiamos pela liberdade de forma completa mas nos prendemos em grades de prepotência e preconceito. Estamos muito preocupados com nossa face que nos esquecemos do que ela representa. Maquiamo-nos. Para que assim os outros possam nos ver, nos notar, nos avaliar e nos esclarecer.  Nos medimos, nos trancamos e morremos sós.
Voltei minha concentração para a janela. A escuridão, que já despedia o sol, contra-atacada pela claridade da lâmpada fluorescente do interior do ônibus refletia-me no vidro. Esquivei-me, preferi não me encarar. E como não podia ver a imagem, fui ver o instrumento. Procurei as sujeiras do vidro da janela para me enganar. Mas eles foram além e conseguiram arrastar minhas últimas palavras em um apólogo que escutara na infância e me reapareceu assim. Minha avó que me contou. Falava, em termos resumidos para não alongar ainda mais minha narrativa, de uma senhora que vivia reclamando o encardido dos lençóis estendidos de uma moça recém-casada que tornara sua vizinha. A senhora, porém, ao ver os lençóis estendidos pela janela de sua casa, não notava que a sujeira amarela que via nos panos não era culpa da má-lavagem da jovem, mas da falta de limpeza do vidro da janela de sua casa. Gostava muito das histórias de minha avó, embora a infância não nos permita entender as ironias escondidas por trás dos atos e das pessoas. Ainda bem. Hoje tudo faz sentido.
O ônibus parou no meu ponto. Desci e fui pra casa apressado antes que chovesse, escondido debaixo de mim.

Rivaldo Júnior

domingo, 27 de novembro de 2011

Sonhos (Peninha)




Tudo era apenas uma brincadeira,
E foi crescendo, crescendo, me absorvendo
E de repente eu me vi assim, completamente seu.

Vi a minha força amarrada no seu passo.
Vi que sem você não há caminho, eu não me acho.
Vi um grande amor gritar dentro de mim,
Como eu sonhei um dia.

Quando o meu mundo era mais mundo
E todo mundo admitia...
Uma mudança muito estranha,
Mais pureza, mais carinho mais calma, mais alegria;
No meu jeito de me dar.

Quando a canção se fez mais clara e mais sentida.
Quando a poesia realmente fez folia em minha vida.
Você veio me falar dessa paixão inesperada,
Por outra pessoa...

Mas não tem revolta não,
Eu só quero que você se encontre.
Saudade até que é bom,
É melhor que caminhar vazio.
A esperança é um dom
Que eu tenho em mim, eu tenho sim...
Não tem desespero não,
Você me ensinou milhões de coisas.
Tenho um sonho em minhas mãos,
Amanhã será um novo dia,
Certamente eu vou ser mais feliz.


quarta-feira, 23 de novembro de 2011

amnésia paquiderme





malditos elefantes, por que ainda se lembram de mim?


corrompe-me as veias dilatadas
dá-me teu último suspiro
o som, o grito, a arma de fogo
aquele carrossel bordado de elefantes

malditos elefantes, por que ainda se lembram de mim?

minha cara, teu suor
força bruta que se desfaz
e eu só 
e só eu
meu retrato desbotado na parede 

malditos elefantes, por que ainda se lembram de mim?


hoje aqui,

teu grito engole o tempo
os elefantes  passeiam na tua face
zombam de mim
me perseguem! não aguento mais!
faço uma prece

malditos elefantes, por que ainda se lembram de mim?

Deus! 

na noite mais escura
na noite mais longa
na noite mais fria
eu fui fraco
e condenado a carregar comigo esses elefantes...
os elefantes...

malditos elefantes, por que ainda fazem parte de mim?



Rivaldo Júnior

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Da felicidade (Mário Quintana)



Quantas vezes a gente, 
em busca da ventura,
Procede tal e qual 
o avozinho infeliz:
Em vão, por toda parte, 
os óculos procura
Tendo-os na ponta do nariz!
                        

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Canhoto





 acho que sou um tanto assim,
 muito estranho.
 - graças a deus!
 como posso me sentir de outro modo.
 não me passo.
 nem espero viver conforme.
 nada mais fútil do que a conformidade,
 nada mais triste.


 deveríamos abolir qualquer forma de humanização igualitária!
 a declaração dos direitos humanos, por exemplo,
 é um farsa,
 é ridícula.
 ninguém tem o direito de ser igual a ninguém!
 ninguém é igual a ninguém, porra!
 nem tente me convencer.
 estou só,
 estou ocupado...
 vejo pássaros na janela,
 e meu reflexo na parede.


 estou só,
 estou ocupado.
 traço meus planos sem ajuda
 e os outros...
 ah, os outros.
 o que seriam deles sem mim?
 o que seria de mim sem eles?
 o que seria de mim sem mim mesmo...
Rivaldo Júnior

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

A Ópera, cap IX : Dom Casmurro (Machado de Assis)

E, depois, de beber um gole de licor, pousou o cálice, e expôs-me a história da criação, com palavras que vou resumir.
Deus é o poeta. A música é de Satanás, jovem maestro de muito futuro, que aprendeu no conservatório do céu. Rival de Miguel, Rafael e Gabriel, não tolerava a precedência que eles tinham na distribuição dos prêmios. Pode ser também que a música em demasia doce e mística daqueles outros condiscípulos fosse aborrecível ao seu gênio essencialmente trágico. Tramou uma rebelião que foi descoberta a tempo, e ele expulso do conservatório. Tudo se teria passado sem mais nada, se Deus não houvesse escrito um libreto de ópera, do qual abrira mão, por entender que tal gênero de recreio era impróprio da sua eternidade. Satanás levou o manuscrito consigo para o inferno. Com o fim de mostrar que valia mais que os outros, — e acaso para reconciliar-se com o céu, — compôs a partitura, e logo que a acabou foi levá-la ao Padre Eterno.
— Senhor, não desaprendi as lições recebidas, disse-lhe. Aqui tendes a partitura, escutai-a, emendai-a, fazei-a executar, e se a achardes digna das alturas, admiti-me com ela a vossos pés...
— Não, retorquiu o Senhor, não quero ouvir nada.
— Mas, Senhor...
— Nada! nada!
Satanás suplicou ainda, sem melhor fortuna, até que Deus, cansado e cheio de misericórdia, consentiu em que a ópera fosse executada, mas fora do céu. Criou um teatro especial, este planeta, e inventou uma companhia inteira, com todas as partes, primárias e comprimárias, coros e bailarinos.
— Ouvi agora alguns ensaios!
— Não, não quero saber de ensaios. Basta-me haver composto o libreto; estou pronto a dividir contigo os direitos de autor.
Foi talvez um mal esta recusa; dela resultaram alguns desconcertos que a audiência prévia e a colaboração amiga teriam evitado. Com efeito, há lugares em que o verso vai para a direita e a música, para a esquerda. Não falta quem diga que nisso mesmo está a beleza da composição, fugindo à monotonia, e assim explicam o terceto do Éden, a ária de Abel, os coros da guilhotina e da escravidão. Não é raro que os mesmos lances se reproduzam, sem razão suficiente. Certos motivos cansam à força de repetição. Também há obscuridades; o maestro abusa das massas corais, encobrindo muita vez o sentido por um modo confuso. As partes orquestrais são aliás tratadas com grande perícia. Tal é a opinião dos imparciais.
Os amigos do maestro querem que dificilmente se possa achar obra tão bem acabada. Um ou outro admite certas rudezas e tais ou quais lacunas, mas com o andar da ópera é provável que estas sejam preenchidas ou explicadas, e aquelas desapareçam inteiramente, não se negando o maestro a emendar a obra onde achar que não responde de todo ao pensamento sublime do poeta. Já não dizem o mesmo os amigos deste. Juram que o libreto foi sacrificado, que a partitura corrompeu o sentido da letra, e, posto seja bonita em alguns lugares, e trabalhada com arte em outros, é absolutamente diversa e até contrária ao drama. O grotesco, por exemplo, não está no texto do poeta; é uma excrescência para imitar as Mulheres Patuscas de Windsor. Este ponto é contestado pelos satanistas com alguma aparência de razão. Dizem eles que, ao tempo em que o jovem Satanás compôs a grande ópera, nem essa farsa nem Shakespeare eram nascidos. Chegam a afirmar que o poeta inglês não teve outro gênio senão transcrever a letra da ópera, com tal arte e fidelidade, que parece ele próprio o autor da composição; mas, evidentemente, é um plagiário.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Me Deixa (O Rappa)





















"Podem avisar, pode avisar,
Invente uma doença que me d
eixe em casa pra sonhar...
Podem avisar, pode avisar,
Invente uma doença que me d
eixe em casa pra sonhar...

Com o novo enredo outro dia de folia,
Com o novo enredo outro dia de folia.

Eu ia explodir, eu ia explodir,
Mas eles não vão ver os meus pedaços por aí...

Me deixa,
 que hoje eu tô de b
obeira...

Hoje eu desafio o mundo s
em sair da minha casa,
Hoje eu sou um homem mais sincero e
 mais justo comigo.
Hoje eu desafio o mundo s
em sair da minha casa,
Hoje eu sou um homem mais sincero e m
ais justo comigo.

Podem os homens vir que n
ão vão me abalar,
Os cães farejam o medo,
Logo não, vão me encontrar...
Não se trata de coragem!
Mas meus olhos estão distantes
Me camuflam na paisagem
Dando um tempo p
ra cantar...

Me deixa, 
que hoje eu tô de
 bobeira...

Me deixa, 
Que hoje eu tô de
 bobeira.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Rapaz, cuidado com as mulheres.






a mulher trai,
a mulher se nega.
a mulher se faz.

a mulher condiz, diz e contradiz.
desfaz.
a mulher orienta,
a mulher inventa,
tenta tentação.

a mulher mente como a língua da serpente.
e joga a culpa nos outros, no mundo, em você.
e finge que nada aconteceu.

a mulher se maquia,
a mulher se pinta,
a mulher se multiplica dentro de si mesma.

a mulher despista,
conquista,
avista.
embaça.

a mulher,
com seu sorriso inocente,
com seu sorriso culpado,
pode prender,
pode ferir,
pode matar,
mata 

qualquer homem de amor.
Rivaldo Júnior

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Soneto da Hora Final (Vinicius de Moraes)



Será assim, amiga: um certo dia,
Estando nós a contemplar o poente
Sentiremos no rosto, de repente,
O beijo leve de uma aragem fria.

Tu me olharás silenciosamente
E eu te olharei também, com nostalgia
E partiremos, tontos de poesia...
Para a porta de trevas, aberta em frente.

Ao transpor as fronteiras do segredo
Eu, calmo, te direi: - Não tenhas medo
E tu, tranquila, me dirás: - Sê forte.

E como dois antigos namorados,
Noturnamente tristes e enlaçados,
Nós entraremos nos jardins da morte.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Mãos dadas (Carlos Drummond de Andrade)




Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros
Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considere a enorme realidade.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.
Não serei o cantor de uma mulher, de uma história.
Não direi suspiros ao anoitecer, a paisagem vista na janela.
Não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida.
Não fugirei para ilhas nem serei raptado por serafins.
O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes,
a vida presente.





Tributo ao poeta do mundo.

domingo, 30 de outubro de 2011

Juízo Final (Nelson Cavaquinho)





O sol... há de brilhar mais uma vez.
       A luz... há de chegar aos corações!
Do mal... será queimada a semente.
O amor... será eterno novamente...



É o Juízo Final, 
                 a história do bem e do mal!

Quero ter olhos pra ver, 
                     a maldade desaparecer...